Patchwork – o que é

manta 7A tradução literal de patchwork é “trabalho com retalhos”. É uma técnica que une tecidos com uma infinidade de formatos variados. O patchwork é a parte superior ou topo do trabalho, já que o trabalho completo é o acolchoado, formado pelo topo mais a manta ou pasta de enchimento e o tecido de fundo, tudo preso por uma técnica conhecida como “quilting” ou acolchoamento. Utilizado na Europa nas culturas mais antigas, foi nos Estados Unidos, pela mão de colonizadores ingleses e holandeses, que se tornou mais importante e conhecido. A diferença entre os primeiros quilts americanos e europeus (séculos XVII-XVIII) é que eram só de um só tecido, utilizando roupas fabricadas e tingidas em casa. Ficaram conhecidos como “whole cloth quilts”. Nessa época os tecidos eram escassos e um dos bens mais apreciados devido à dependência imposta pelos ingleses que não permitiam que fosse desenvolvida uma industria própria. Estes primeiros quilts eram feitos de retalhos de roupas e os enchimentos de lã, algodão, ou outros tecidos e às vezes até mesmo de cascas de milho ou pedaços de jornal. Afinal a intenção era apenas abrigar-se do frio e tornar a casa mais confortável com o que havia à mão. 16Há muito pouco exemplares destes quilts. Os tecidos eram já muito usados e estendiam-se no chão para dormir nas longas viagens ao velho oeste. A situação económica depois da Guerra da Independência (1775-1783) levou a um maior aproveitamento dos tecidos, mesmo nas famílias mais abastadas e habituadas a comprar tecidos importados, que guardavam retalhos de brocados, sedas e veludos. Exemplares de quilts feitos com esses retalhos chegaram aos nossos dias, como testemunho da rica época colonial. Em 1772, estampam-se na Pensilvânia os primeiros “caliços”, com estampados pequenos, de flores miudinhas, num processo lento e caro. As placas de cobre que vieram substituir o sistema de estampagem anterior permitiu mais detalhe, mas continuou a ser difícil e apenas permitia a estampagem de uma só cor sobre fundo branco. No início do século XVII começa a estampagem com rolos, sistema muito mais rápido e que permitiu um grande desenvolvimento na indústria têxtil e nos tintos. Estes e outros factos fizeram com que os anos entre 1830 e 1900 se tornassem um marco na história dos quilts americanos. Começou a trabalhar-se por prazer, como expressão artística, sem perder de vista a função prática. Os motivos utilizados passam a reflectir a evolução do povo americano- el pino, log cabin, bear’s paw…. 06b12452e26b885bd0538616e295bd0dHá um predomínio de motivos geométricos, mas também se utiliza a técnica de aplicação que consiste em aplicar tecidos de cores sobre uma base lisa, geralmente motivos florais. Fazer quilts passou a ser parte do dia a dia das mulheres que se reuniam, para coser e conversar. O acolchoado era muitas vezes feito por todas. Era obrigatório fazer uma manta (quilt) para o casamento dos filhos e daí a popularidade do motivo “double wedding ring” (anéis de casamento), que consiste em 2 aros entrelaçados. Algumas comunidades religiosas como os Amish ou os Menonitas colaboraram com as suas criações austeras mas belíssimas.

Mas foi preciso chegar ao século XX para que os quilts fossem valorizados como expressão artística, chegando mesmo a atingir valores milionários. Em 1979, a empresa Olfa lançou um sistema que utilizava um cortador rotativo, uma placa de base (para não deixar a lâmina perder o fio) e réguas com marcações, permitindo o corte mais rápido e com precisão. De início para facilitar o corte da seda, rápidamente foi adaptado ao patchwork revolucionando e agilizando este mundo. DSC02726Desde então, o interesse por esta arte não parou de crescer. Nos Estados Unidos o patchwork é um mercado que movimenta mais de 2 biliões de doláres com exposições e mercados (sendo o mais importane o de Houston, no Texas) a acontecerem a toda a hora um pouco por todo o País. Grandes industrias têxteis desenvolvem anualmente colecções de tecidos especiais para patchwork e a profusão de revistas e livros dedicados ao tema assim como os materiais e ferramentas que visam facilitar o trabalho não pára de crescer. Hoje encontram-se “quilteiras” no mundo inteiro, incluindo Brasil, Japão, Canadá, Inglaterra, Alemanha, França, Espanha, Dinamarca e tantos outros países.

Termos mais usados:

Appliqué – técnica antiga, conhecida por aplicação , em que cosem (ou aplicam) peças pequenas sobre uma peça maior, de forma a criar um desenho.

manta 61Backing – parte de trás da manta (quilt)

Bias (viés) – corte de tiras de tecido com um ângulo de 45º

Batik – técnica de tingimento artesanal (ver na loja oniine explicação mais completa)

BInding – Tira de tecido (ou várias tiras unidas umas as outras) para remate  final da manta

Block – em português Bloco. Combinado com outros montamos o topo da manta

Bom diminuto de  Block of the month  ou bloco do mês. Programa de um clube de patchwork ou loja em que se vão criando blocos numa base mensal. Isto é, quem estiver inscrito, recebe mensalmente molde e materiais para um bloco. No mês seguinte para um outro bloco até completar o projeto.

saco (2)Border – tiras de tecido para enquadramento de um bloco ou da manta

Pre cuts – cortes com um tamanho especificio (ex. Fat Quarter) – ver explicação mais completa na nossa loja online Precortados

Fat quarter – um tecido precortado com tamanho de 50x 55 cm

LOF _ Length of the fabric – ao comprimento do tecido

WOF – width of the fabric – à largura do tecido

Quilt – manta

Quilting techniques – técnicas de acolchoar,

UK3Quilt top – ou topo da manta- conjunto dos vários blocos que compõem o topo ou parte de cima da manta

Quilt Sandwich – é mesmo isso que o termo indica – fazer a sanduiche ou juntar tres camadas para finalizar uma manta – juntar o topo, com a parte de trás, colocando o enchimento no meio, através de alfinetes próprios ou alinhavo. A seguir a manta está prepara da acolchoar

Selvage – ourela – normalmente na ourela estão impressas informações sobre o fabricante, é identificada a coleção e mostram-se as cores que utilizadas no tecido.

NOTA-todos os projetos apresentados foram criados e confecionados no nosso atelier.

 

 

 

Browser não suportado

Infelizmente o seu browser não é suportado.

Recomendamos a actualização para uma versão recente de qualquer browser moderno, tais como o Google Chrome, Firefox ou Internet Explorer.